Formas de controlar a Ansiedade e o Medo nos nossos dias!

Cada vez mais, as exigências pessoais e familiares que nos impomos diariamente tornam a nossa vivência uma fonte de ansiedade e medo. A correria diária, as obrigações e responsabilidades condicionam a nossa Vida de uma forma que nos retira o Prazer e a alegria de Viver com Simplicidade, Harmonia e Paz!

 Mindfulness, ou Atenção Plena, é um estado de atenção no momento presente no qual podemos observar pensamentos, sensações físicas e emoções quando estas ocorrem, de uma forma não avaliativa, e sem reagir da forma automática ou habitual. Isto promove a possibilidade de escolha de resposta ao que acontece e facilita uma vida mais serena e satisfatória, mesmo perante situações difíceis.

 É nesse sentido que praticar Mindfulness nos ajuda a reduzir os automatismos do dia-a-dia.

Quantas vezes damos por nós em piloto automático (e.g. quando conduzimos, tomamos banho, comemos, etc.) sem na realidade estarmos conscientes do que estamos a fazer. Do mesmo modo, podemos não estar realmente presentes, momento-a-momento, durante uma grande parte das nossas vidas.

Este estado de piloto automático, aumenta a probabilidade dos acontecimentos à nossa volta, e da atividade da nossa mente e corpo poderem despoletar padrões de pensamento e comportamento que são frequentemente prejudiciais e que podem diminuir a nossa qualidade de vida e o nosso bem-estar.

 É fundamental para o nosso equilíbrio e saúde geral aprender a estar no Aqui-e-Agora, dar atenção a cada momento sem qualquer julgamento ou avaliação.

 As técnicas de Meditação são um valioso contributo no desenvolvimento da nossa consciência corporal, na perceção de como a mente nos domina tantas vezes e nos retira do que é realmente real e verdadeiro, boicotando o alcance da paz e tranquilidade.

 Meditar regularmente ajuda-nos a trazer a atenção de volta para um único ponto ou foco de entre os vários focos de atenção possíveis: corpo, respiração, sons, pensamentos e emoções.

A meditação é hoje utilizada, com resultados positivos comprovados, na redução do stress, na melhoria do sono, nos problemas de atenção, na recuperação de adições (droga, jogo, etc…), na redução do sofrimento na fibromialgia e na dor crónica.

 A prática de Mindfulness (que não é mais do que uma forma de meditação ao requerer a concentração e atenção plena no momento presente) contribui para a diminuição dos níveis de ansiedade, stress, estados depressivos e medos, ao potenciar a destruição de padrões negativos automáticos de funcionamento e pensamento.

 

Aprenda a Viver no Presente e seja mais Feliz:

  • Nós não somos os nossos pensamentos – quando observamos os nossos pensamentos percebemos que eles são voláteis e estão sempre a mudar. Devemos apenas observá-los, sem os julgar, analisar e prender. Se os deixarmos seguir o seu caminho sem qualquer tipo de análise ou julgamento, voltando a focar a atenção no momento presente, percebemos que eles acabam por desaparecer. A nossa mente está sempre em funcionamento e a emitir pensamentos, na maioria das vezes, retirando-nos do que é real e verdadeiramente importante. Se estivermos atentos, presentes, e em processo de observação, não somos apenas testemunhas em piloto automático da nossa Vida. Podemos antes optar por Vivê-la e Saboreá-la ao máximo!
  • Para melhorar o nosso rendimento, devemos parar de pensar nisso – a fluidez é o inverso de querer controlar. Por exemplo, quando simplesmente deixamos fluir, ouvimos e sentimos a música e o corpo mexe-se de forma fluida, ao nosso ritmo. Quando pensamos em dançar e queremos controlar os movimentos sentimo-nos como robots, descoordenados e desajeitados. Se apenas observarmos e nos entregarmos aos sentidos, sem julgamentos ou análise conseguiremos sentir a verdadeira Fluidez da Vida, a poderosa energia que vive dentro de nós!
  • Apenas o Presente é real - O passado já não existe e não podemos retornar a ele, o futuro é totalmente desconhecido!

Apenas o exato momento em que nos encontramos é real, com tudo e apenas o que existe nesse preciso momento. Vivemos, muitas vezes, angustiados com o passado alimentando criticas autodestrutivas, culpabilizações e lamentações. Por outro lado, sentimo-nos tantas vezes insatisfeitos com o presente que optamos por viver intensamente das fantasias e desejos futuros, sem um foco real no presente e no que podemos fazer para efetivamente alterá-lo. 

Se sabemos que os nossos pensamentos estão na base da maioria das nossas emoções negativas e que estes não refletem, na sua generalidade, a veracidade do que nos rodeia, porque perdemos tanto tempo com eles? E nos permitimos sofrer? Porque não descobrir o que existe na ausência de pensamentos controladores? Porque não saborear cada momento, cada som, cada sabor, cada sensação, cada respiração…? E se um pensamento vier? Basta apenas não pensar sobre esse mesmo pensamento… ele desaparecerá tal como veio!

  • Viver com Aceitação. Aquilo a que se resiste persiste! – Quanto mais resistimos, negando ou evitando as sensações e os pensamentos mais estes resistem e permanecem em nós. Porque apenas a aceitação é libertadora, apenas a coragem de enfrentar e observar tudo o que existe com aceitação e amor permite que tudo passe e se transforme! A não-aceitação conduz à fuga, à produção de mais pensamentos negativos que, por sua vez conduzem a mais emoções negativas (e.g., se eu não gosto de me sentir triste e não aceito esse estado, começo a produzir pensamentos “porque é que eu estou triste?”, “que disparate ficar assim” e, consequentemente, vou-me sentindo pior….).

 Por outro lado, aceitação não significa inércia ou gostar igualmente de tudo o que se sente ou pensa, significa sabedoria para agir quando é possível agir e serenidade para apenas observar e deixar fluir o que não podemos mudar!

(Sofia Rodrigues)

EM DESTAQUE
Mindfulness (Técnicas de Respiração e Meditação), Gestão de Mente, Redução de Stress, Ansiedade e Depressão.
O que significa ser orgulhoso numa relação? Porque o fazemos e o que conseguimos com isso? O orgulho nos relacionamentos está maioritariamente relacionado com insegurança pessoal, necessidade de afirmação e baixa auto-estima. Infelizmente, muitas vezes, o resultado alcançado com uma postura orgulhosa é exatamente o oposto do que verdadeiramente sentimos e desejamos.